ENQUANTO O MUNDO TENTA DESESPERADAMENTE COMBATER A PANDEMIA DE CORONAVÍRUS, O PRESIDENTE DO BRASIL ESTÁ FAZENDO O POSSÍVEL PARA MINIMIZÁ-LA


Jair Bolsonaro tem se esforçado bastante para levar a sério. Indo contra o conselho de seu próprio ministério da saúde, no início de março, e enquanto aguardava os resultados de um segundo teste de coronavírus, ele deixou o auto-isolamento para participar de comícios contra o Congresso.

Ele apertou a mão de torcedores em Brasília e enviou uma mensagem a milhões de pessoas que não precisavam se preocupar com isso.

Em um discurso televisionado na semana passada, ele repetiu uma frase agora bem gasta. "É apenas um pouco de gripe ou gripe", disse ele, culpando a mídia mais uma vez pela histeria e pânico pelo Covid-19.


Alguns dias depois, ele demonstrou claramente sua priorização da economia sobre as medidas de isolamento favorecidas pelo resto do mundo.

"As pessoas vão morrer, desculpe", disse ele. "Mas não podemos parar uma fábrica de automóveis porque há acidentes de trânsito".

Um negador solitário

"Jair Bolsonaro está sozinho agora", diz Brian Winter, editor-chefe da publicação Americas Quarterly. "Nenhum outro grande líder mundial está negando a gravidade disso, na medida em que ele é e, dependendo de como as coisas vão, essa abordagem pode custar muitas vidas no Brasil".

Jair Bolsonaro está frustrado. Ele chegou ao poder no ano passado, prometendo uma economia melhor e o coronavírus acabou com isso.

As praias do Rio estão desertas e as ruas normalmente fechadas de São Paulo estão vazias. Lojas, escolas, espaços públicos e empresas em muitos estados fecharam.

Então, Bolsonaro está determinado a fazer essa pandemia política, culpando seus adversários por tentarem destruir o país.

Regras de economia

Alguns dias atrás, um vídeo foi compartilhado pelo filho de Jair Bolsonaro, Flavio - o próprio político.


A mensagem do vídeo, que alegava vir do governo brasileiro, era que "O BRASIL NÃO PODE PARAR" (em português, # obrasilnãopodeparar). As pessoas precisam continuar trabalhando para manter o país seguro e a economia em crescimento.

O governo se recusou a reivindicar a propriedade do vídeo e desde então o chamou de "notícias falsas", mas é exatamente a mensagem que Bolsonaro está divulgando.

Tanto que, de fato, um juiz federal no sábado proibiu o governo de fazer campanha contra medidas de isolamento. As postagens do governo nas mídias sociais usando a hashtag foram removidas às pressas.

"Ele está claramente lançando as bases para poder dizer, daqui a seis meses a um ano, que ele não concordou com medidas de distanciamento difíceis, com o bloqueio", diz Oliver Stuenkel, Professor Associado de Relações Internacionais da Fundação Getulio Vargas, em São Paulo .

"É uma tentativa de reduzir o impacto negativo que a crise econômica inevitavelmente terá sobre os índices de aprovação do governo Bolsonaro, mas é uma estratégia muito arriscada porque, ao minimizar a crise, ele também não está liderando a resposta", disse Stuenkel.

Apoio a Bolsonaro

Mas a mensagem de Bolsonaro ressoa com seus apoiadores. Nos últimos dias, muitos realizaram caravanas em todo o Brasil, dirigindo pela cidade e buzinando em apoio a empresas que desejam reabrir.

"Quando você sugere que, ao sair para a rua, pode ser infectado, as pessoas ficam em pânico", diz Luiz Antonio Santana Caldas, torcedor do Bolsonaro na Bahia. "Se você for colocado em quarentena e não houver solução em duas semanas, tudo o que você está fazendo é causar o colapso da economia".

Paloma Freitas, administrador de imóveis de Fortaleza, discorda. Ela votou em Bolsonaro, mas diz que ele não a representa mais.

"Toda vez que o escuto, fico apavorada", diz ela. "Em vez de se unir, ele constantemente ataca as pessoas. Ele acha que o país vai quebrar, mas as pessoas mortas não geram dinheiro, não farão a economia funcionar a menos que seja o negócio do funeral".

Governadores de Estado que lideram a crise

O governador de São Paulo, João Doria, juntamente com quase todos os outros governantes do país, tentou incentivar o governo federal a apoiar suas medidas de isolamento. Para nenhum proveito. Bolsonaro apenas os acusa de jogos políticos.

"Não é racional tornar a saúde e a vida das pessoas políticas, especialmente aquelas que são pobres e vulneráveis", disse Doria, atacando Bolsonaro por não avaliar a vida das pessoas. Doria disse que o Brasil pode - e deve - parar.

Panelaços - protestando com tachos e panelas

O barulho de pancadas nas varandas das pessoas tem sido a trilha sonora de muitas noites em cidades como São Paulo e Rio de Janeiro recentemente. Os "panelaços" são um protesto contra um presidente que consideram irresponsável. Um homem conhecido por negar a ciência. E um homem que olha para Donald Trump como sua inspiração.


"Eu gostaria que Bolsonaro estivesse ouvindo mais de perto Trump agora, porque, se estivesse, ele entenderia que Trump está levando isso muito mais a sério do que há duas semanas atrás", diz Brian Winter. "Trump também é prova de que nunca é tarde para um presidente mudar sua abordagem sobre esse assunto".

No entanto, há poucos sinais de uma reviravolta de Jair Bolsonaro - um político que sempre criticou o establishment. Mas nestes tempos de crise, as pessoas não querem ouvir um jogo da culpa. Eles precisam de um problema para ser resolvido - e rápido.

Fonte: BBC NEWS

Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Blog Tv Web Barreiras. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog Tv Web Barreiras poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada ou que esteja sem identificação.

Tecnologia do Blogger.