BAHIA TEM AGORA NOVE CASOS SUSPEITOS DE CORONAVÍRUS, DIZ MINISTÉRIO DA SAÚDE


O Ministério da Saúde atualizou para nove o número de casos suspeitos de coronavírus na Bahia. A informação foi divulgada no fim da tarde desta sexta (28). Além dos nove, outros quatro casos que haviam sido notificados foram considerados descartados pelo ministério. Ao todo, o país tem 182 casos suspeitos e apenas um confirmado em São Paulo. 

Segundo a Secretaria de Saúde da Bahia (Sesab), até as 10h desta sexta-feira (28), o estado contava com oito casos suspeitos em análise laboratorial, sendo quatro em Salvador, três em Feira de Santana e um em Itabuna.

"Metade dos casos suspeitos que foram descartados ontem (28) apontavam para H1N1, e isso é uma notícia ruim pois esse vírus, assim como o influenza B, H3N2, é muito mais letal que o coronavírus e tem um potencial maior de evoluir para uma pneumonia", apontou o secretário de Saúde, Fábio Vilas-Boas.

Apesar da baixa taxa de mortalidade do novo vírus, que é de 1,5% em casos fora da China, o secretário diz não negligenciá-lo e garante que a Bahia está pronta para agir na possibilidade de um caso confirmado no estado.

"É um vírus novo e as pessoas não tem um sistema imune desenvolvido ainda para ele, que tem um potencial para morte - apesar de pequeno. Mas é bom ressaltar que é mais um 'vírus de gripe' como vários outros. As pessoas não precisam entrar em pânico. Ninguém pega o coronavírus e está condenado a morte. A maioria irá se curar naturalmente sem apresentar grandes problemas", aponta.

Mesmo sem casos confirmados na Bahia, existe uma estrutura disponível para atender possíveis ocorrências. A partir do momento que há uma suspeita, o sistema de saúde – seja público ou privado – deve comunicar à Sesab. Depois, técnicos de saúde coletam amostras e enviam para o Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen). 

Lá, há estrutura para o chamado teste ‘multiplex’, que analisa 21 tipos de vírus respiratórios em uma única rodada na máquina. Em no máximo três horas, é possível confirmar se uma pessoa tem qualquer um desses 21 tipos de vírus. A Sesab tem 12 dessas máquinas – que são as mesmas que a da Universidade Federal da Bahia (Ufba). 

A Ufba, porém, através do Laboratório de Virologia, já conseguiu comprar a amostra de DNA do novo coronavírus. “Eles compraram há duas semanas, nos Estados Unidos. Nós já compramos e estamos aguardando a nossa chegar, o que deve acontecer na próxima semana. Por enquanto, a Ufba está nos emprestando a deles”, explicou o secretário. 

Cada rodada desse teste custa R$ 1.200. No entanto, o coronavírus não será testado de imediato. O teste para a doença só vai acontecer depois que a análise for negativa para os outros 21 tipos – que inclui H1N1, H3N2 e Influenza B. 

Caso algum caso seja confirmado e precise de isolamento, há 30 leitos especiais no Hospital Couto Maia que têm pressão negativa. Ou seja: o ar não sai do quarto. No interior, os hospitais que têm Unidade de Terapia Intensiva foram destacados para receber as situações mais graves. 

O principal ainda é ter agilidade. Segundo Vilas Boas, entre a comunicação das suspeitas e o descarte delas, o tempo tem variado entre 24 e 48 horas.

Isso inclui mandar automóvel, mandar avião para o paciente, o que for preciso. Porque, nesse momento, é muito importante deixar a população mais tranquila e fazer o diagnóstico precoce de que não é coronavírus”.

A partir de março, a partir de reuniões com entidades como a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado (Fecomercio-BA), a Sesab vai começar a fazer inspeções em estabelecimentos comerciais. Aqueles que não disponibilizarem álcool em gel devem ser notificados e, posteriormente, até multados. 

Disponibilizar álcool em gel nesses locais é obrigatório na Bahia devido a uma lei aprovada em 2017. Quem não cumprir a medida pode ter que pagar uma multa diária de R$ 55. 

Para a população, a recomendação é usar o próprio álcool gel ou lavar sempre as mãos. “As pessoas também precisam aprender a tossir e a espirrar. A gente vê as pessoas tossindo sem proteger a mão. Tem que tossir usando o cotovelo e não a mão. Grávidas, idosos e crianças devem evitar ambientes com pessoas tossindo ou espirrando. Se você está num ambiente com uma pessoa assim e não pode deixar de trabalhar, essa pessoa deve usar a máscara”, orientou o secretário. 

Entenda as diferenças e os sintomas de cada uma das doenças:

Coronavírus – febre muito frequente (pode passar dos 38°C), tosse muito frequente; coriza está presente nos primeiros dias, porém não é muito frequente; dor de garganta pouco frequente; dor de cabeça de leve a moderada; presença de dores no corpo; diarreia ocorre raramente; falta de ar a partir do 6º ou 7º dia.

Resfriado comum – febre pouco frequente; tosse pouco frequente; coriza muito frequente e abundante; dor de garganta de leve intensidade; dor de cabeça não é comum; ausência de dores no corpo; diarreia de forma rara; ausência de falta de ar.

H1N1 (gripe) – febre que geralmente vai até 38°C, tosse presente (mas não tanto quanto no coronavírus e nem tão pouco quanto no resfriado); coriza (não tanto quanto no resfriado); dor de garganta frequente e de moderada intensidade; dor de cabeça com pouca intensidade; presença de dores no corpo; possibilidade de diarreia; falta de ar apenas em casos raros.

Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Blog Tv Web Barreiras. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog Tv Web Barreiras poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada ou que esteja sem identificação.

Tecnologia do Blogger.