MUDANÇAS NO COAF PODEM EMPERRAR COMBATE À CORRUPÇÃO NO BRASIL


A transferência do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) para o Banco Central é mais um duro golpe no combate a crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. Com papel fiscalizador, o conselho atua na inteligência financeira do governo federal na prevenção desses delitos e tem autonomia para, sempre que detectar transações suspeitas, emitir alertas a outros órgãos fiscalizadores, como as Polícias Federal ou Civil, Receita Federal e os Ministérios Públicos Estadual e Federal.

Investigações de grandes esquemas de corrupção tiveram início com alertas emitidos pelo Coaf, que trabalha em parceria e fornece subsídios para que a Polícia Judiciária possa desenvolver sua função e investigar a ação de grandes quadrilhas. O Sindicato dos Delegados de Polícia Federal no Estado de São Paulo (SINDPF-SP) e o Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo (SINDPESP) vêm a público manifestar seu repúdio a mais esse ataque ao combate à corrupção. 

Até o momento, o órgão vem desempenhando um importante papel na luta contra crimes do colarinho branco e sua atuação tem possibilitado que a Polícia Federal consiga devolver aos cofres públicos boa parte do dinheiro desviado com estes crimes. “É de se estranhar que um governo eleito com a bandeira do combate à corrupção adote medidas que visam enfraquecer instituições que desempenham um papel de excelência”, afirma a presidente do SINDPF SP e diretora regional da Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (ADPF) em São Paulo, Tania Prado.

Com a mudança, o Coaf, que passa a ser chamado de Unidade de Inteligência Financeira, será vinculado ao Banco Central, mas não integrará a estrutura da autarquia. “O presidente da República vem tentando intimidar instituições como a Receita e a Polícia Federal, que deveriam estar livres de ingerências políticas, interferindo em seus comandos e quebrando todas as promessas de endurecer o combate à corrupção”, afirma a presidente do SINDPESP, Raquel Kobashi Gallinati.

Na avaliação das entidades, a medida representa um retrocesso e abre possibilidade para que haja interferência política nas decisões. “Em um momento sensível como o que vivemos hoje, com pressões e tentativas reiteradas de interferência política na atuação de órgãos fiscalizadores, essa mudança pode atrasar e atravancar investigações de crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, além de abrir uma brecha para indicações políticas dentro do órgão”, completa Tania.

Esse é o segundo golpe que o Coaf recebeu este ano. Em 17 de julho, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, determinou a suspensão de todos os processos judiciais em que dados bancários de investigados tenham sido compartilhados pelo Coaf sem autorização prévia do Judiciário. “O Coaf presta um trabalho relevante e qualquer tentativa de minar suas ações é um golpe inaceitável na luta contra a corrupção”, finaliza Tania.

assessor de imprensa

Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Blog Tv Web Barreiras. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog Tv Web Barreiras poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada ou que esteja sem identificação.

Tecnologia do Blogger.