FUMAÇA DE QUEIMADAS ENCOBRE CIDADES BRASILEIRAS


Imagens de satélite mostraram no último sábado (17) que um “rio” de fumaça descia da região amazônica até o sul do país. Um dia antes, a quantidade de fumaça no céu de Porto Velho, capital de Rondônia, era tanta que um voo chegou a mudar a rota, pois a visibilidade estava comprometida. Focos de incêndio provocados têm ocorrido desde a semana passada no norte do país. 

A fumaça de origem amazônica já era percebida no fim de semana em algumas cidades do sul. Nesta tarde, moradores da capital paulista se assustaram com o céu escuro já às 15h. Segundo a empresa de meteorologia MetSul, a fumaça que alcança o Brasil é parte da região amazônica, mas é também resultado de focos de incêndio de enormes proporções que ocorreram na tríplice fronteira do Brasil, Bolívia e Paraguai nas últimas 48h.

Esses incêndios no Paraguai e Bolívia explodiram em tamanho e intensidade no fim de semana. A pluma de fumaça atua hoje no Mato Grosso do Sul, São Paulo e o Norte do Paraná”, afirma o serviço meteorológico. No Alto Paraguai, por exemplo, o incêndio queimou 21 mil hectares e até “choveu” fuligem na região. Mas este ao contrário do que ocorre neste momento na Bolívia, já está controlado. 

Em São Paulo, a mistura de pluma de fumaça e nebulosidade contribuíram para reduzir a luminosidade -, criando a escuridão que virou o principal assunto nesta tarde. Ao G1, a meteorologista do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), Helena Balbino, explica que há também uma convergência de três massas com temperaturas distintas: frente fria, temperaturas amenas do oceano e vento quente do interior. Já o Climatempo ressalta que a mudança de circulação de ventos trouxe a fumaça proveniente de queimadas no Norte do Brasil e na Bolívia. 

Aumento do foco de incêndios

No último domingo (18), o Climatempo já havia ressaltado que o número de focos de queimadas detectados pelo satélite de referência AQUA_M-T, administrado pela NASA, era o maior nos últimos cinco anos considerando o período de 01 de janeiro a 17 de agosto. Em 2019, houve o registro de 65.711 de focos de queimadas, cerca de 70% maior que o ano de 2018.

Os estados de Mato Grosso do Sul e Rondônia lideram o ranking de estados com o maior aumento de registros comparados com o ano anterior.

Fonte: Ciclo Vivo - Imagem: NOAA (Administração Oceânica e Atmosférica Nacional).

Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Blog Tv Web Barreiras. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog Tv Web Barreiras poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada ou que esteja sem identificação.

Tecnologia do Blogger.