RELATÓRIO DA ABERT APONTA AUMENTO DOS CRIMES CONTRA A LIBERDADE DE EXPRESSÃO


Número de profissionais de imprensa assassinados teve crescimento de mais de 200%

A Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert) publicou um relatório a respeito das violações à liberdade de expressão no Brasil. O documento foi disponibilizado na última quarta-feira (20) e traz dados que apontam para o aumento em mais de 200% (em relação a 2017) no número de assassinatos de profissionais da imprensa e um crescimento da judicialização do jornalismo, 30% das decisões judiciais relacionadas a conteúdos jornalísticos.

Em 2018, o exercício da atividade levou à morte três radialistas, que perderam a vida após a divulgação de críticas e denúncias contra autoridades e políticos locais: Jefferson Pureza Lopes (Rádio Beira Rio FM, de Edealina – GO), Jairo Sousa (Rádio Pérola FM, de Bragança – PA) e Marlon Carvalho (Riachão de Jacuípe – BA). Em 2017 foi registrada apenas uma ocorrência. Assédio sexual contra jornalistas mulheres e ofensas na internet também têm se intensificado, com uma variedade de práticas de ofensas, ameaças e ataques aos profissionais pelos diversos meios digitais.

Os casos de violência não letal somaram 114 episódios envolvendo 165 profissionais e veiculos de comunicação no país no ano passado. As agressões físicas lideraram as ocorrências (34,21%), logo em seguida as ameaças, com 16,66% do total. O relatório da Abert mostra ainda que em todas as categorias analisadas houve aumento em relação ao ano de 2017. As agressões cresceram 11,42%, as ameaças 90%, tentativas de intimidação tiveram um acréscimo de 275% e as ofensas, com o maior incremento, 300%. O vandalismo de instalações e equipamentos também resgistrou escalada nas ocorrências. Os 16 eventos notificados correspondem à elevação de 300% nesse tipo de crime.

Apesar do ambiente adverso e de crescente desrespeito à liberdade de expressão e de imprensa no país, o presidente da Abert, Paulo Tonet Camargo, destaca a importancia do jornalismo e acredita em seu fortalecimento em meio à crise. “Em um mundo de fake news, o remédio é mais jornalismo, mais jornalistas e um melhor exercício da profissão”, asseverou.

No contexto internacional, o Brasil aparece em 10º lugar entre os países mais perigosos para a atividade jornalística. Esse é um dado divulgado pelo Comitê para Proteção dos Jornalistas (CPJ) e faz consonância com outros dados compilados de entidades internacionais e foram apresentados no lançamento do relatório da Abert. Diante desse quadro, a Organização dos Estados Americanos – OEA é um dos organismos internacionais que manifestaram preocupação em torno da impunidade para esse tipo de crime.

Fonte:ABI

Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Blog Tv Web Barreiras. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog Tv Web Barreiras poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada ou que esteja sem identificação.

Tecnologia do Blogger.