AUTORIDADES ESTÃO EM ALERTA APÓS TRAGÉDIA COM MORTOS EM BRUMADINHO (MG)


O monitoramento das barragens de rejeitos que existem na Bahia será intensificado, devido ao alerta provocado pela tragédia de Brumadinho (MG), ocorrido na sexta-feira (25), segundo informou a gerência da Agência Nacional de Mineração na Bahia (ANM). Até a tarde deste sábado (26), 11 mortes foram contabilizadas e, ao menos, 300 pessoas estavam desaparecidas, na cidade mineira.

Conforme Cláudio da Cruz Lima, gerente regional da ANM na Bahia, o estado tem um número muito menor de barragens de rejeitos, em relação a Minas Gerais. No estado baiano são 14, sendo que quatro delas podem representar algum risco.

"Enquanto Minas tem mais de 400 barragens no Plano Nacional de Segurança de Barragens, a Bahia possui apenas 14. Isso nos permite monitorar as barragens, no mínimo, uma vez por ano. Algumas são monitoradas até duas vezes por ano", disse Lima.

A Bahia não tem registro de acidentes com barragens de rejeitos. A intensificação do monitoramento das unidades é uma medida preventiva, afirmou o gerente da ANM no estado.

"As barragens que têm mais alto potencial de dano são as localizadas em Jacobina (2), Santa Luz (1) e Itagibá (1), mas elas estão sendo monitoradas, inclusive presencialmente, e as empresas estão cumprindo os condicionantes impostos pela ANM. Apesar disso, a gente vai intensificar o monitoramento das barragens, e, a partir da semana que vem, já vamos fazer uma reunião para retraçar os planos de monitoramento das barragens aqui na Bahia", completou Lima.


Especialistas afirmam que a chance dos rejeitos de Brumadinho chegarem a rios ou praias da Bahia são remotas, por conta do volume, que não é tão grande quanto Mariana, tragédia ocorrida também em Minas Gerais, em 2015. Na ocasião, as águas da Bahia, embora o Ibama tenha chegado a fazer um alerta, também não foram atingidas pelos rejeitos da barragem.

O rompimento de uma barragem da Vale no Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG), na sexta-feira (25) deixou um rastro de lama que deixou pessoas desaparecidas e destruiu casas na região. Há 11 pessoas mortas, segundo os bombeiros.

O presidente da Vale, Fábio Schvartsman, diz que os principais atingidos são funcionários da empresa. Eles estavam em horário de almoço, e o refeitório da empresa foi atingido. A empresa informou que havia 427 pessoas no local, e 279 foram resgatadas vivas.

Ao menos 299 pessoas continuam desaparecidas, segundo Corpo de Bombeiros de MG. A Vale diz que não conseguiu contato com 413 funcionários e divulgou o nome dos colaboradores (veja a lista). Vinte e uma pessoas seguem internadas em serviços de saúde de Belo Horizonte e de Brumadinho.

A Vale informou que o rompimento ocorreu na barragem 1 da Mina Feijão - que causou o transbordamento de outra barragem, segundo o presidente da empresa, Fábio Schvartsman. O Ministério do Meio Ambiente, por sua vez, informou que foram 3 barragens rompidas. Ainda não há informações do que provocou o acidente.

Fonte: G1/Bahia

Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Blog Tv Web Barreiras. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog Tv Web Barreiras poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada ou que esteja sem identificação.

Tecnologia do Blogger.