Esporte

REFUGIADA TENTA SUPERAR PRECONCEITO PARA ENSINAR FUTEBOL A MENINAS: "JOGAVAM PEDRAS EM NÓS"


Milhares de pessoas já deixaram a Síria desde o início da guerra civil do país em 2011. Cerca de 80 mil desses sírios estão em Zaatari, o segundo maior campo de refugiados, localizado na Jordânia, próximo à fronteira. No deserto, os moradores moram em contêineres. E lá, o esporte leva esperança para as pessoas, principalmente crianças e jovens, além de tirar um pouco da carga pesada da guerra.

Mulheres representam metade dos refugiados em Zaatari. Mas, na cultura local, não é visto bons olhos mulheres praticando esportes. Entretanto, Amal Hosham, mãe solteira, decidiu ensinar futebol para as meninas da comunidade. No início, Amal teve que encarar a forte resistência dos homens, mas, aos poucos, vai quebrando barreiras para cada vez levar mais gente para o campo.

- Todo mundo foi contra (ensinar futebol para meininas). Recebi muitas críticas. Eles xingavam, e diziam: "O que vocês estão fazendo?" e jogavam pedras em nós. Então disse a eles: "Não estamos fazendo nada de errado". Estamos fazendo meninas se divertirem e jogarem bola. Minha filha não foi comprometida, a moral dela não foi comprometida. E espero que com o tempo eles fiquem mais tranquilos quanto a isso - conta Amal, que abandonou a Síria depois que homens armados invadiram sua casa e sua filha pequena foi escondida sob o colchão para não ser levada.


Em outro canto de Zaatari, Mohammad ensina wrestling para crianças. Mas, no tapete, o professor, que é ex-atleta da seleção síria, não foca em torná-los melhores lutadores, mas em aliviar a cabeça dos alunos.

- Esses jovens foram expostos às pressões na Síria. Eles testemunharam a guerra. Quando vieram para o campo, chegaram pressurizados e carregados de negatividade. Então, através do treino, tento cansá-los fisicamente. Isso liberta a energia negativa, trocando-a por energia positiva. Tenho que focar mais no apoio psicológico porque os jovens que treino precisam de apoio psicológico mais do que qualquer coisa. A maioria das crianças aqui viveu parte da infância e teve bons momentos na Síria. Então, sempre devemos lembrá-las desses dias - afirma Mohammad.


A união entre Projeto de Refugiados da Coreia com a Federação Mundial de Taekwondo enviou apoio educacional, médico e instrutores de taekwondo para Zaatari. Ali, sem preconceito, meninos e meninas convivem tendo aula da modalidade sem diferenciação. Mesmo espaço, uniforme e aprendizado. Instrutor de taekwondo, Lee Se Jong se surpreendeu com o sucesso da inciativa.

- Já que essas crianças passaram por uma guerra, elas estão machucadas e traumatizadas. Quando eu ouvi falar do projeto, duvidei de como estar crianças aprenderiam taekwondo, mas quando vi de fato, senti a energia deles. Mas a energia era caótica e desordenada. Fiquei surpreso porque as meninas mostraram mais confiança que os meninos. Elas demonstraram muito mais força e confiança do que eles nas suas vozes e movimentos. Fiquei surpreso, feliz e satisfeito de ver isso.



Fonte: Globo Esportes

Por tv web 2

0 comentários:

Postar um comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Blog Tv Web Barreiras. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog Tv Web Barreiras poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada ou que esteja sem identificação.

Tecnologia do Blogger.