Bahia

GOVERNO FEDERAL DECRETA TERRITÓRIO QUILOMBOLA NO BAIXO SUL COMO DE INTERESSE SOCIAL


O território quilombola Lagoa Santa teve decreto de interesse social publicado nessa quarta-feira (09) no Diário Oficial da União (DOU). O ato beneficia 39 famílias quilombolas que vivem no território de 652 hectares, situado entre os municípios de Ituberá e Nilo Peçanha, no território de identidade do Baixo Sul. 

O documento foi assinado pelo Presidente da República, Michel Temer, e autoriza o Incra na Bahia a iniciar as avaliações dos imóveis rurais inseridos no território e a ajuizar ações de desapropriação, com a finalidade de promover a titulação coletiva do território. No caso do Lagoa Santa, há apenas um imóvel rural em que o proprietário será indenizado, além de posseiros. 


Com o decreto de interesse social publicado, o processo de regularização fundiária do Lagoa Santa entra em sua última etapa. Esse território teve o seu Relatório Técnico de Identificação e Delimitação (RTID) publicado em outubro de 2014, que é um documento complexo e composto por peças técnicas e relatório antropológico. Já a Portaria de Reconhecimento que consolida o território e dá legitimidade ao RTID foi publicado em fevereiro de 2016. 

Com o Lagoa Santa, o Incra na Bahia totaliza 13 territórios quilombolas com decretos de interesse social publicados, que beneficiam 1,7 mil famílias remanescentes de quilombo no estado. São os seguintes territórios: Agreste, Lagoa do Peixe, Jatobá, Pau D’arco Parateca, Salamina, Dandá, Nova Batalhinha, Velame, Tijuaçu, Mata do Sapé, Sambaíba e Olhos D’água do Basílio. 

Encantos 

O nome da comunidade é proveniente da relação mística que as famílias mantêm com a lagoa, denominada Lagoa Santa, que tem grande influência junto à comunidade. “A memória social do grupo aponta a lagoa como um lugar de milagres e encantos”, reporta o relatório antropológico . O nome da lagoa inicialmente era “Os milagres” e “Milagres de São Brás”. 


De acordo com o documento, permanecem vivos nas narrações locais os casos de cura, agradecimentos, aparições, visagens e devoções às águas da lagoa. Uma das mais contundentes no imaginário da população se remete a aparição de uma moça bonita na lagoa, a Mãe D’Água. Lá na lagoa também aconteciam os batismos das crianças. 

História

O povoamento da comunidade foi iniciado entre os séculos XIX e XX, com aquisição de terras por parte de famílias afrodescendente, quando se agregaram formando uma única comunidade. É o que conta o Relatório Antropológico que compõe o RTID. Segundo o relatório, nos anos de 1960, os fazendeiros e posseiros vizinhos pressionaram as famílias da comunidade Lagoa Santa, com o boato de que a reforma agrária iria tomar-lhe a terra. As famílias acabaram vendendo-as “a preço de banana”. 

O Analista em Reforma e Desenvolvimento Agrário do Serviço de Regularização Fundiária do Incra na Bahia, Itamar Vieira Junior, que também acompanhou o processo de regularização fundiária do Lagoa Santa, ressalta que as famílias adquiriram as terras com o plantio de mandioca, a manufatura e comercialização da farinha e praticavam atividade pesqueira na lagoa.

Cultivos

As famílias do Lagoa Santa vivem da agricultura, do extrativismo e da manufatura de artesanato. A produção agrícola está voltada ao plantio da mandioca, do cacau, da banana, do cravo, do milho, do feijão e do cupuaçu para consumo e venda na feira livre de Ituberá. O extrativismo da piaçava permite que eles produzam artesanato, e também o comercializem in natura.

Assessoria de Comunicação Social do Incra/BA

Por Blog Tv Web Barreiras

0 comentários:

Postar um comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Blog Tv Web Barreiras. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog Tv Web Barreiras poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada ou que esteja sem identificação.

Tecnologia do Blogger.