COMPENSAÇÃO DOS ESTADOS POR PERDAS COM LEI KANDIR SEGUE PARA O PLENÁRIO DA CÂMARA - Tv Web Barreiras

Notícias Recentes

17 de mai de 2018

COMPENSAÇÃO DOS ESTADOS POR PERDAS COM LEI KANDIR SEGUE PARA O PLENÁRIO DA CÂMARA


O projeto precisa ser votado até agosto próximo, quando vence o prazo dado pelo STF para definição do montante de ressarcimento das perdas e dos critérios de repasse.

A Comissão mista especial do Congresso Nacional aprovou nesta terça (15), embora ainda sem acordo com o governo federal, o parecer final do senador Wellington Fagundes (PR-MT) do projeto de lei complementar que define os critérios a serem adotados pela União para os repasses de compensação aos estados em função das perdas da Lei Kandir.

O vice-presidente da Febrafite, Marcelo Mello, acompanhou a votação da matéria. Para ele, o texto que será apensado a projeto já em trâmite em Comissão especial da Câmara e precisa ser votado nos plenários das duas casas legislativas, não respeita os critérios de perdas previstas no protocolo ICMS 69/08 do Confaz, que dispõe sobre os critérios para partilha de recursos entregues aos Estados e Distrito Federal pela União.

“A comissão não respeitou os critérios de perdas adotados pelo Confaz, pois incluiu, com peso de 30%, o critério de balança entre exportações e importações, que nunca foi aprovado no conselho, por não ter nada a ver com perdas e por beneficiar apenas alguns Estados. Além disso, fixou 40% do coeficiente de acordo com a média do coeficiente do Confaz nos últimos 5 anos, que pode gerar arguição de inconstitucionalidade por ser fixo. E retirou o critério de perdas pelos créditos nas aquisições de bens do ativo”, alerta Marcelo Mello.

Os pontos positivos, segundo Mello, são o estabelecimento de um montante próximo ao valor das perdas anuais dos Estados, além da obrigação de a União de ressarcir em 30 anos as perdas acumuladas até a entrada em vigor da lei.

Em função disso, apesar da alteração nos critérios de repartição, a Febrafite vê como positivo o reconhecimento do Congresso Nacional para a compensação aos Estados pelas perdas com a desoneração de ICMS nas exportações de produtos primários e semielaborados e pelas compras de ativo permanente, de forma gradual, sendo R$ 19,5 bilhões para 2019, R$ 29,25 bilhões para 2020 e R$ 39 bilhões a partir de 2021, corrigidos pela inflação, bem como a aprovação do relatório como “um importante passo essencial para o resgate do pacto federativo”.

O reconhecimento da obrigatoriedade dos ressarcimentos é justo, pois a lei comprometeu a arrecadação dos Estados. Está cada vez mais claro que essa legislação fracassou por gerar perdas de arrecadação aos Estados e por desestruturar a cadeia produtiva nacional, incentivando a exportação de produtos primários em detrimento de produtos com maior valor agregado, exportando empregos e desenvolvimento, e, portanto, precisa ser revista”, opina o vice-presidente da Federação.

O projeto final precisa ser votado até agosto próximo, quando vence o prazo dado pelo STF para definição do montante de ressarcimento das perdas e dos critérios de repasse.

Crise dos Estados

No ano passado, a Febrafite publicou estudo com dados do Confaz sobre os prejuízos financeiros aos Estados. Em 20 anos de vigência da lei, os entes federados deixaram de arrecadar cerca de R$ 500 bilhões decorrentes da desoneração do ICMS na exportação de produtos primários e semielaborados e dos créditos nas aquisições de ativo permanente.

Para a Febrafite, os contratos das dívidas estaduais contraídas desde a década de 1990, com juros abusivos e que já foram pagos, somados aos efeitos decorrentes da Lei Kandir, entre outras políticas como o Simples Nacional e as desonerações do IPI, reduzindo o FPE - Fundo de Participação dos Estados, contribuíram fortemente para o atual desequilíbrio financeiro dos Estados.

A federação defende os ressarcimentos integrais das perdas acumuladas desde a aprovação da LC 87/1996, a manutenção dos critérios de partilha conforme o Protocolo ICMS 69/08 do Confaz, o equacionamento do ressarcimento da União pelas perdas no prazo de até 30 anos, podendo haver encontro de contas com a dívida, e a revogação da lei.

Acesse o estudo sobre a Lei Kandir aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Blog Tv Web Barreiras. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog Tv Web Barreiras poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada ou que esteja sem identificação.