0

Foi divulgado na imprensa que mais de mil postos de saúde em todo o país estão inoperantes, um desperdício enorme de material equipamentos que irresponsavelmente estão abandonados.

Estão espalhados por todos os municípios brasileiros sem que exista uma ação para que voltem a funcionar. Obras destinadas ao abandono e um prejuízo de milhões de reais ao erário público. 

Sua finalidade serviu apenas para enganar o povo em período de campanhas eleitorais em todo o Brasil. Obras de fachada tão comuns que foram realizadas para demonstrar que determinado gestor em determinado tempo precisava mostrar aos eleitores que estava fazendo alguma coisa. 

Decisões enganosas que ao invés de colocar em operação os que já existiam, resolve gastar o dinheiro do contribuinte em elefantes brancos. Costumam entrar em funcionamento apenas em período de campanha e depois são inexplicavelmente fechados e abandonados. Mesmo que o candidato a reeleição ganhe ou não as eleições. 

O custo dessas obras não representa quase nada para as prefeituras. O difícil é mantê-los em atividade. Pois dependem de pessoal especializado de custos diários com remédios e equipamentos. Despesas que superam o custo dessa obra em poucos meses. Porém são construídos e logo após desativados, porque não existe interesse verdadeiro de resolver os problemas de saúde do povo e oferecer diariamente um serviço público que está decadente em todo o país. 

A saúde pública não é tratada com a responsabilidade que merece. São poucos os municípios em todo o Brasil que oferecem serviços de qualidade com responsabilidade e com a devida preocupação que o povo merece. 

Os exemplos que necessitam ser seguidos são apenas fatos isolados. Acontecem apenas quando o gestor público se dedica com todo seu poder a amenizar as questões da saúde e proporcionar ao povo o atendimento de qualidade. 

Na grande maioria dos municípios brasileiros a saúde é sempre coisa para segundo ou terceiro plano. Os pacientes recorrem então aos grandes centros ou morrem à mingua. 

Barreiras em especial se atendesse apenas os pacientes da micro região teria condições de proporcionar um atendimento razoável. Todavia por sua situação logística atende até pacientes de outros estados vizinhos. É comum no hospital regional se atender pacientes no corredor. Em situação de emergência e com os constantes riscos de contaminação. Essas equipes de médicos e paramédicos lutam diariamente em condições sempre desfavoráveis. O mesmo ocorre no Hospital Eurico Dutra onde seus funcionários, enfermeiras e médicos se desdobram de dia e de noite para atender os casos mais comuns, na tentativa diária de amenizar a dor e de trazer alivio para os que lá recorrem.

Mesmo que existam reclamações, demora de atendimento e tantos outros problemas essas duas casas de saúde vivem um eterno drama e suas equipes de médicos e paramédicos praticam diariamente atos de heroísmo e dedicação. 

Nem sempre são bem considerados, nem sempre recebem elogios e são poucos os que após o alivio de suas dores se dignam a agradecer os que os atenderam. 

Mas todo esse aparato médico precisa de ações que melhorem não só as condições de atendimento, mas também as condições de trabalho desses funcionários. A saúde precisa ser levada a serio e necessita ser considerada como prioridade. Quem prometeu mudança precisa saber que ela precisa acontecer não só na infra estrutura, mas também nas questões de saúde. 

A crônica de hoje é dedicada aos funcionários, médicos e paramédicos do Hospital Eurico Dutra e do HO que trabalham diariamente para amenizar as dores da população. 

Boa tarde!

Colunista Guto de Paula / Tv Web Barreiras.

Postar um comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Blog Tv Web Barreiras. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog Tv Web Barreiras poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada ou que esteja sem identificação.

 
Topo