0

A inflação oficial do país, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), fechou março em 0,25%, com queda de 0,08 ponto percentual em relação ao percentual ( 0,33%) de fevereiro e a menor taxa já registrada para os meses de março desde 2012, quando atingiu 0,21%.

Com o resultado, a inflação acumulada no primeiro trimestre de 2017 é de 0,96%, a menor taxa de toda a série histórica (não se levando em conta as mudanças na moeda). No primeiro trimestre de 2016, o IPCA acumulado era de 2,62%. A inflação dos últimos 12 meses é de 4,57%..

Os dados relativos ao IPCA, indicador que serve de parâmetro para a meta inflacionária fixada pelo Banco Central (BC), foram divulgados hoje (7), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em março do ano passado, o IPCA havia variado 0,43%.

Energia elétrica tem impacto

Segundo o IBGE, o principal impacto para a alta no índice de março foi a conta de energia elétrica, que respondeu por 0,15 ponto percentual. A energia elétrica subiu no mês 4,43% e levou o grupo habitação a registrar elevação de 1,18%, a mais elevada variação de grupo.

Para o IBGE, o resultado do item energia elétrica reflete a cobrança da bandeira tarifária amarela no valor de R$ 2 a cada 100 quilowatts-hora (kwh) consumidos, aliado também a aumentos ou reduções nas parcelas do PIS/Cofins (Programa de Integração Social e Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social), dependendo da região pesquisada.

Inflação por grupos

Além da alta de 4,43% na tarifa de energia elétrica, o que levou o grupo Habitação a fechar com a maior taxa do mês (1,18%), também pesaram nas despesas a elevação de 1,13% no preço do botijão de gás, tendo em vista reflexos do reajuste médio de 9,8% no preço do produto nas refinarias, a partir do dia 21 de março.

A segunda maior variação veio do grupo Educação, que subiu 0,95%, mesmo com o grupo mostrando recuo significativo em relação aos 5,04% do mês anterior. Enquanto os preços da Educação caíram significativamente, os do grupo alimentação e bebidas mostraram aceleração de 0,34% em março (em fevereiro houve inflação negativa de 0,45%).

Segundo o IBGE, produtos importantes na mesa do consumidor ficaram mais caros: leite longa vida (alta de 2,6%; café moído (1,89%); e pão francês (0,91%). Por outro lado, alimentos como o feijão-preto (-9,11%), feijão-carioca (-5,59%) e feijão-mulatinho (-4,50%). todos com deflação, ficaram mais baratos de um mês para o outro.

Ainda a respeito da queda de preços entre fevereiro e março, houve recuo em quatro dos nove grupos de produtos e serviços, com destaque para transportes (-0,86%), comunicação (-0,63%), artigos de residência (-0,29%) e vestuário (-0,12%), todos com inflação negativa.

Variação por regiões

Quando analisados por regiões, os números divulgados pelo IBGE indicam que a inflação em março variou entre 0,66% em Fortaleza, e 0,04% (inflação negativa) em Belo Horizonte.

Das 13 áreas envolvidas na pesquisa, seis fecharam com taxas de inflação acima da média nacional de 0,25% e sete com taxas menores do que a média nacional. Além de Fortaleza, registraram taxas maiores Recife, com alta de 0,54%; Rio de Janeiro (0,38%); São Paulo (0,31%) e Curitiba e Goiânia (alta de 0,27%).

No sentido contrário, aparecem Porto Alegre, com alta de 0,24%; Campo Grande (0,14%); Belém e Vitória (0,13%); Salvador (0,04%); Brasília (-0,02%); e Belo Horizonte (-0,04%) – estas duas últimas cidades com deflação de preços.

O IPCA é calculado pelo IBGE desde 1980, se refere às famílias com rendimento de um a 40 salários mínimos e abrange dez regiões metropolitanas do país, além dos municípios de Goiânia, Campo Grande e de Brasília.

Fonte: Agência Brasil.

Postar um comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Blog Tv Web Barreiras. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog Tv Web Barreiras poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada ou que esteja sem identificação.

 
Topo