0

O juiz federal Sérgio Moro aceitou a indicação do presidente Michel Temer como testemunha de defesa do ex-deputado Eduardo Cunha. O juiz determinou, nesta segunda-feira (07), que o presidente seja comunicado da convocação e pede que ele se manifeste se quer ser ouvido em audiência ou por escrito, como permite o Código de Processo Penal.

De acordo com despacho, Moro solicita que a resposta seja dada em um prazo de cinco dias, já que há acusado preso.

Lula intimado

No documento, o juiz ainda solicitou que a Justiça Federal de São Bernardo do Campo, em São Paulo, expeça uma carta precatória intimando o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a depor por videoconferência. Lula também foi indicado como testemunha de defesa de Eduardo Cunha.

A data da oitiva ainda não foi marcada. O prazo para a intimação é de trinta dias. No mesmo despacho, Moro marcou os primeiros depoimentos das testemunhas de acusação e de defesa indicadas no processo. No dia 18 de novembro serão interrogados o delator da Lava Jato, Eduardo Costa Vaz Musa e o auditor da Petrobras, Rafael de Castro da Silva, que foram apontados como testemunhas do Ministério Público Federal.

Já no dia 22 começam a depor as testemunhas de defesa. Nesta data prestam depoimento quatro pessoas: o empresário e pecuarista José Carlos Bumlai, o ex-senador Delcídio do Amaral, o ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró e o lobista Hamylton Pinheiro Padilha. Em defesa prévia, Cunha listou o nome de 22 pessoas para deporem em seu favor.

Além do presidente Michel Temer e do ex-presidente Lula, ainda aparecem na lista o ex-ministro do Turismo e de Governo Henrique Alves (PMDB-RN), e o ex-deputado João Paulo Cunha (PT).

O ex-presidente da Câmara foi preso no dia 19 de outubro, em Brasília, por determinação do juiz Sérgio Moro e desde então permanece detido na carceragem da Polícia Federal, em Curitiba. Cassado no mês de setembro, ele responde a dois processos criminais na primeira instância. O político é acusado de receber propinas em contrato de exploração de Petróleo na África, e de usar contas na Suíça para lavar o dinheiro.

Os advogados do ex-parlamentar têm negado as acusações, tanto que pediram que a denúncia seja rejeitada. Eles criticam o Ministério Público Federal dizendo que os procuradores ainda não explicaram qual a participação de Eduardo Cunha no esquema descoberto na Petrobras. Segundo as investigações, Cunha teria recebido o equivalente a R$ 2,4 milhões por atuar na aquisição, pela estatal, de um campo de petróleo na República do Benin, em 2011. O ex-deputado também é acusado de receber pelo menos U$ 5 milhões por desvio de recursos em contratos da Petrobras na compra de navios-sonda.

Fonte: Uol.

Postar um comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Blog Tv Web Barreiras. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog Tv Web Barreiras poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada ou que esteja sem identificação.

 
Topo