IRÁ SEM O “VIEIRINHA”. - Tv Web Barreiras

Notícias Recentes

26 de nov de 2016

IRÁ SEM O “VIEIRINHA”.


Sem ir ao “Vieirinha”,
aonde Irá pensa que irá?
Quando ela sai de casa
dizendo “vou por aí”,
na certa já tem a rota antecipada
e, traçada no passo, a sina
de dobrar as dez esquinas
que atrai seu corpo como ímã
pra cair na dependência não química
e sim orgânica, da dança prazerosa,
nos alpendres do Velho Caparrosa.

E no sábado suas sandálias
voltarão em cima do rastro;
do rastro que fizera na sexta,
no arrasta-pé esfregado na praça;
rastro feito na sexta-feira
pra ser seguido pelos seguidores
da boemia num sábado.

No entorno morno do Mercado Velho
com linhas, ripas e caibros
que os cupins não deram cabo,
Irá, com cabeça, tronco e membros,
com o peso da vida nos ombros,
com sua arcada firme,
peito erguido e barriga encolhida,
preserva sua arquitetura
e evita dizer: “um dia a casa cai”

Pousando em cada mesa,
de gole em gole de cerveja,
Irá vai deixando o seu mel.
Ora abelha, ora beija-flor,
dizendo segredos ao seu copo
que não é de liquidificador,
que um dia Cazuza cantou
“em muitas orelhas frias’

De mesa em mesa
dizendo segredos para seu copo,
segue em diálogo de si para si a abelha-rainha
ora lamentos, ora ladainhas
na mesa de Arabela,
cantando “Se essa rua fosse minha”.

Rodopia numa quina de mesa
virando agora uma esquina
e por trás dela muitas más línguas,
deixando sua orelha quente
(tanto é que ela pensa alto:
"Estou com a pulga atrás da orelha").

Irá vai deixando o seu mel
"devagarinho flor em flor"
ora abelha ou beija-flor,
zumbido baixo de abelha-rainha,
fora do alcance do violão de Vieirinha,
polinizando a boemia da humanidade
ao bater de suas duas leves asas,
que nascem nas alças do sutiã
dando asas à imaginação dos fãs
sobre se a abelha-rainha ainda usa anágua
ou se porta mágoas sobre o cofre do seu segredo
que ela sussurra ao copo da cerveja,
enquanto as línguas dos namorados giram nas orelhas
“dizendo segredos de liquidificador”

Levando o bico à borda do copo
em busca do açúcar do seu próximo,
segue Irá polinizando a humanidade
das humildes pessoas da cidade
que se abrem para ela como girassóis
virando pescoço e olhares
para que ela pouse em cada mesa,
buscando o açúcar e o malte da cerveja.

O "Vieirinha" sem Irá
é quase como o gerais sem chuva,
ou melhor, o gerais sem caju,
ou, melhor ainda: um pintura de Randesmar
sem as chuva dos cajus;
o Cerrado de sua tela
florescendo pétalas e árvores.

O “Vieirinha” sem Irá
muito perde o aroma e o sabor:
é como roer um pequi sem sentir seu olor

É certo que fica deserta a praça
sem a presença discreta dela, 
sem ela dar o ar de sua graça,
vestida em chitas e entretela,
com batom básico, sem maquiagem,
pra não descorar a sua imagem
de personagem do rio Grande.

O bar “Vieirinha” sem Irá
é como se acabasse de chover
e só a chuva usasse as mesas e cadeiras,
derramando sobre elas a sua “saideira”;

O “Vieirinha” sem o ar da graça de Irá,
perde toda a graça,
e a praça ganha seu vazio,
como quando cai a chuva,
mesmo que Irá, sozinha,
se atreva a ir na chuva de sombrinha
pra sair da sombra de suas trevas,
pra não ficar em casa entrevada.

Mesmo estando agora no “Beirute’
e achando que estava no "Vieirinha",
caminhando mais adiante, 
entre dez biritas, sem estar biruta,
achando-se e perdendo-se
entre barreirenses e gaúchos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Blog Tv Web Barreiras. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog Tv Web Barreiras poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada ou que esteja sem identificação.