CRÔNICA DE GUTO DE PAULA - ESPERANDO CHUVA E AGUARDANDO JANEIRO. - Tv Web Barreiras

Notícias Recentes

18 de nov de 2016

CRÔNICA DE GUTO DE PAULA - ESPERANDO CHUVA E AGUARDANDO JANEIRO.


Enquanto esperamos a chuva que ameaça, mas não chega, esperamos também que janeiro chegue e que novos ventos possam soprar e trazer soluções para essa cidade. 

Relatar essas carências é muito fácil, todos sabem do que mais precisamos e a bem da verdade nunca tivemos. Estabelecer as prioridades e os setores de maior urgência é o que todos esperam.


Tudo se faz com planejamento, com cansativas reuniões e com o estabelecimento de projetos que precisam ser práticos e que não gerem muitos ônus para o município. Afinal estamos em crise.

E em uma situação dessas sobrevive com dignidade quem ousa, quem inventa e quem coloca em prática suas ideias lógicas. A crise só é muito forte e se torna um monstro quando perdemos a vontade de lutar e nos deixamos levar pela onda de pessimismo.

Um das maiores crises mundiais aconteceu na década de 20 com a quebra das bolsas de valores nos Estados Unidos. Mas, foi após ela que esse país se tornou o mais poderoso de todos. Com certeza fruto da disposição, da determinação e do trabalho de um punhado de pessoas que não se submeteu a situação. Pessoas criativas, ousadas e determinadas que encontraram formulas de enfrentar o momento e fazer de uma situação de desastre o sucesso de hoje. 

Precisamos nos espelhar nesses exemplos e criar o nosso próprio Sonho Brasileiro. Eliminado e banindo a corrupção, as propinas e a supersaturação das obras. Mudar primeiro o nosso próprio comportamento de aceitar com passividade todas as falcatruas cometidas pelos poderosos nesse país.

É urgente que necessitamos de reformas politicas e sociais que estabeleçam novas regras e que elas antes de serem implantadas precisam ser discutidas, Temos engolido goela abaixo leis que pretendiam soluções e que colocadas em prática só causam mais problemas. 

Nos últimos anos permitimos que houvesse um desarmamento geral com o equivocado conceito de minimizar a violência. Acabamos armando os bandidos e desarmando o cidadão. 

Seja porque, mesmo com boa intenção os que elaboraram essas leis vivem em um limbo de tranquilidade. Não conhecem a realidade das ruas e estão distantes ou imunes dos problemas cotidianos do povo. 

Quem tem salários acima de 15 mil reais e tem direito a privilégios inimagináveis, não sofre os problemas de quem tenta sobreviver com nosso mínimo salario mínimo. Não conhece o sufoco de final de mês, quando o que recebe não dura mais que três dias. O resto do mês passa correndo atrás do prejuízo, da conta de luz ou água atrasada, das prestações e dos carnes de uma compra que a bem das condições do cidadão, nem poderia ser feita. 

Os brasileiros de um modo geral estão nadando o ano inteiro e quase sempre morrem na praia do desespero, das dívidas e das promessas que não foram cumpridas. Dificilmente o que se alardeia nas campanhas será cumprido quando o mandato for cumprido. 

Contudo o país está sendo passado a limpo e hoje quem tem problemas na justiça já fica com as barbas de molho. De repente o que jamais se tinha visto está acontecendo. Os marginais de colarinho branco estão caindo um a um e ninguém se sente tão a vontade. 

Então que para nós venha a chuva e que janeiro seja o inicio de um ano que até hoje não aconteceu.

A crônica de hoje é dedicada ao colega Gerson Carioca, ao amigo Tiago Portela e a tandos ouros representantes da imprensa que registram diuturnamente os acontecimentos relevantes da cidade.

Da redação Guto de Paula / Tv Web Barreiras.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Blog Tv Web Barreiras. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog Tv Web Barreiras poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada ou que esteja sem identificação.