VEJA AS MEDIDAS DE CORTE E AS AÇÕES QUE ELEVAM GASTOS DO GOVERNO TEMER. - Tv Web Barreiras

Notícias Recentes

4 de jun de 2016

VEJA AS MEDIDAS DE CORTE E AS AÇÕES QUE ELEVAM GASTOS DO GOVERNO TEMER.


O presidente interino Michel Temer (PMDB) assumiu o governo há 23 dias, após o afastamento de Dilma Rousseff (PT) pelo Senado, com um discurso de cortar gastos, controlar a dívida pública e diminuir o déficit primário do país. Apesar de medidas como a redução de ministérios e o anúncio de um teto para os gastos público, o que se tem visto desde então, principalmente na última semana, foi a aprovação de uma série de medidas que ampliam gastos públicos e o rombo fiscal.

Na revisão do Orçamento, o governo passou a prever mais despesas que as estimadas por Dilma. Além de liberar R$ 21,2 bilhões em gastos que estavam bloqueados, há a previsão de gastos adicionais de R$ 9 bilhões com pagamento de despesas atrasadas do PAC, de R$ 3,5 bilhões com despesas do Ministério da Defesa e outras e de R$ 3 bilhões para a saúde.

Há ainda a previsão um rombo de R$ 19,9 bilhões devido à renegociação da dívida dos estados, valor que já inclui a arrecadação prevista pela repatriação de ativos mantidos por brasileiros no exterior e não declarados à Receita Federal. Somados, eles ampliam o gasto federal em mais de R$ 56 bilhões.
Previsão para as contas públicas de 2016 v.2 (Foto: Editoria de Arte/G1)

CORTES DE GASTOS

teto para gastos (Foto: Arte/G1)
Situação: medida já anunciada

Uma das medidas anunciadas por Temer é a adoção de um teto para os gastos públicos, proposta semelhante à feita pela equipe econômica da presidente afastada Dilma Rousseff no que ficou conhecida como “reforma fiscal”. Proposta prevê que o percentual de alta dos gastos públicos em um ano não poderá ser superior ao da inflação registrada no ano anterior.

Inicialmente, Henrique Meirelles, o ministro da Fazenda do novo governo, havia dito que esse teto vincularia despesas da saúde e educação. No entanto, nesta quarta-feira (1°) o presidente em exercício, Michel Temer, afirmou que os percentuais de gastos para saúde e educação não seriam alterados e criticou quem afirma que o governo dele vai cortar despesas sociais.

Ou seja, ele deu a entender que o teto não atingiria as duas áreas, mas sem deixar claro como seria possível limitar o aumento dos gastos públicos sem incluir essas despesas (que consomem grande parte do orçamento).

previdência (Foto: Arte/G1)
Situação: ainda não anunciada oficialmente

Vários entraves adiaram a discussão sobre uma reforma da Previdência no passado, mas o debate foi ressuscitado com o anúncio de um ajuste fiscal nas contas públicas no governo Dilma, na tentativa de amenizar o rombo que chegou a R$ 111 bilhões em 2015. 

Temer declarou que a reforma na Previdência é uma necessidade no país e se mostrou favorável para a criação de uma idade mínima para a aposentadoria pelo INSS – aos moldes do que vinha sendo discutido pelo governo anterior. Um grupo de trabalho, com representantes do governo e das centrais sindicais, foi criado para discutir as reformas.

controle de subsídios (Foto: Arte/G1)
Situação: medida já anunciada

Temer disse que o governo não pretende elevar o volume de subsídios (incentivos, principalmente fiscais) concedidos no passado. Pela nova regra, se um determinado ministério tem programas de subsídios de R$ 1 bilhão por ano, por exemplo, esse valor será o teto para o ano seguinte.

"Nenhum ministério irá apresentar proposta que eleve custo nominal, que eleve subsídio do governo. Poderá fazê-lo se houver uma compensação de uma ou outra atividade".

redução de ministérios (Foto: Arte/G1)
Situação: ministério da Cultura foi recriado

A primeira medida provisória assinada por Temer como presidente em exercício foi o corte de ministérios, com exclusão e fusão de pastas. A medida inicial incluía a extinção do Ministério da Cultura, que seria anexado ao Ministério da Educação, mas a pasta foi recriada dias depois, após protestos. O número de ministérios caiu de 32 para 24 (voltando depois a 25).

Com a mudança, a Secretaria de Portos e a Secretaria de Aviação Civil foram para o Ministério dos Transportes; a Previdência Social foi incorporada ao Ministério da Fazenda. O Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos se juntou ao da Justiça, que passou a ser Ministério da Justiça e Cidadania.

A fusão entre o Ministério do Desenvolvimento Agrário e o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome deu origem a um único Ministério Social, para cuidar da reforma agrária e dos programas sociais.

Perderam o status de ministério o gabinete pessoal da Presidência da República e a Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República. Além disso, perderam o status de ministros os chefes da Advocacia-Geral da União e do Banco Central.

pre-sal (Foto: Arte/G1)
Situação: mudança aguarda aprovação doSenado e tem apoio do governo

Ao anunciar as medidas econômicas para recuperar o déficit fiscal, o presidente em exercício disse que apoiará um projeto aprovado pelo Senado Federal que altera as regras de exploração de petróleo do pré-sal. De autoria do senador José Serra (PSDB), hoje ministro das Relações Exteriores, o projeto retira da Petrobras a exclusividade das atividades no pré-sal e acaba com a obrigação de a estatal a participar com pelo menos 30% dos investimentos em todos os consórcios de exploração da camada.

auditoria (Foto: Arte/G1)
Situação: medida ainda não anunciada oficialmente

O então ministro do Planejamento, Romero Jucá, já exonerado do cargo, afirmou que o governo pretendia passar um "pente fino" nos programas sociais, como o Bolsa Família e Minha Casa, Minha Vida, para identificar problemas. Segundo ele, alguns desses programas estão em "subfuncionamento" e precisam ser "aperfeiçoados". Jucá afirmou, contudo, que não haveria cortes em programas que estão funcionando.

minha casa minha vida (Foto: Arte/G1)
Situação: ministro voltou atrás e ministério revogou de portarias

O ministro das Cidades, Bruno Araújo, chegou a barrar a construção de 11.250 unidades habitacionais do programa Minha Casa, Minha Vida ao revogar duas portarias assinadas nos últimos dias do governo Dilma Rousseff que ampliavam os gastos do programa. O ministro, no entanto, voltou atrás e anunciou nesta uma nova portaria que relança o projeto, prevendo a construção das mais de 11 mil unidades do programa.


AUMENTO DE GASTOS

reajustes de servidores (Foto: Arte/G1)
Situação: proposta segue para análise do Senado
A Câmara aprovou 14 projetos de reajustes salariais para servidores dos poderes Executivo, Legislativo, Judiciário e Procuradoria-Geral da República, além de militares. A aprovação do projeto de lei é resultado de um acordo entre a base governista e a oposição e teve o aval do Palácio do Planalto, informou o colunista Gerson Camarotti. A soma de todos os reajustes previstos nos projetos deste pacote de mudanças pode gerar impacto fiscal de mais de R$ 50 bilhões em quatro anos nas contas públicas.

AUMENTO DE RECEITAS

Situação: medida anunciada, mas em análise jurídica

Dentro do pacote de mudanças orçamentárias, Temer propôs a devolução, pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), de pelo menos R$ 100 bilhões em recursos devidos pelo banco ao Tesouro Nacional nos últimos anos. A medida representaria uma economia de R$ 7 bilhões em juros ao ano, segundo o governo Temer.

O Tribunal de Contas da União (TCU) decidiu, porém, abrir um processo para apurar se a devolução dos recursos fere a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). A nova presidente do BNDES, Maria Silvia Bastos Marques, disse, após tomar posse em cerimônia no Palácio do Planalto, que considera uma "medida correta" a devolução.

dru (Foto: Arte/G1)
Situação: proposta segue para análise do Senado

Para aumentar a margem de manobra nos gastos, a Câmara aprovou a prorrogação da Desvinculação das Receitas da União (DRU) até 2023. O mecanismo permite que parte das receitas de impostos e contribuições obrigatoriamente destinadas a um órgão ou fundo sejam destinadas para cobrir as finanças públicas. Na prática, transforma uma despesa obrigatória em despesa discricionária, o que dá mais liberdade para que o governo use os recursos do Orçamento. Por exemplo, parte das contribuições da Previdência que seriam destinadas aos gastos do órgão pode ser usada como receita no resultado fiscal.

Sem a renovação, o governo estaria obrigado a destinar a maior parte dos recursos do Orçamento a áreas específicas, como saúde, educação e Previdência. O governo anterior defendeu que a manutenção da desvinculação levaria à redução dos investimentos nesses setores. Segundo a proposta, a DRU daria ao governo mais liberdade para gastar R$ 121 bilhões, de um total de R$ 408 bilhões (30%) em receitas previstas para o Orçamento.

CPMF (Foto: Arte/G1)
Situação: governo ainda não anunciou criação ou aumento de impostos


O governo do presidente em exercício também indicou que não descarta o retorno de um imposto semelhante à CPMF (que ficou conhecido como "imposto do cheque") para aumentar a arrecadação federal, mas sinalizou que, se o tributo for criado, será temporário. As medidas de aumento de impostos enfrentam resistência de setores da população e do Congresso. A volta da CPMF já era defendida por Dilma, mas não foi votada pelo Congresso até seu afastamento da presidência.


fundo (Foto: Arte/G1)
Situação: medida já anunciada

O presidente em exercício também propôs a extinção do chamado fundo soberano, criado em 2008 com a sobra do superávit primário (economia para pagamento de juros da dívida) que existia naquele momento. Com isso, os recursos lá depositados, que somam atualmente cerca de R$ 2 bilhões, segundo Temer, deverão retornar aos cofres públicos.

Fonte: G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Blog Tv Web Barreiras. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog Tv Web Barreiras poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada ou que esteja sem identificação.