0

Não é preciso dizer que Jesus Cristo é uma das personalidades mais importantes da história.

O que não é redundante falar é que muito do que popularmente se conhece sobre sua vida e obra é impreciso, resultado de alterações sucessivas na transmissão oral, e de mitos que surgiram para preencher lacunas entre as diversas interpretações do texto bíblico. Recorrendo às fontes originais, é possível verificar vários dados que se mostram surpreendentes hoje em dia. Estes são alguns deles: 

Jesus não era pobre: pelo contrário, sua árvore genealógica chega até a dinastia de Davi, um dos homens mais ricos da história bíblica. A confusão pode se dar pela imagem de seu nascimento em um presépio, mas isso nada teve a ver com pobreza. Exatamente no dia em que Maria iniciou o trabalho de parto, acontecia em Belém um censo para enumerar todos os que tinham posses na cidade. Ela estava tão cheia e agitada que não encontraram outro lugar para dar à luz senão os fundos de uma estalagem. 

Os reis magos não foram ao seu nascimento: Melchior, Gaspar e Baltasar também não estiveram no presépio neste dia. Eles logo viram a Estrela do Oriente, o sinal de que o Messias havia nascido, mas só chegaram a Belém, com seus presentes, dois anos depois. 

Jesus foi criado em Nazaré, uma cidade pequena e desprezada: Nazaré tinha entre 200 e 400 habitantes quando José, Maria e o menino Jesus chegaram lá, fugindo da matança ordenada pelo rei Herodes. A cidade aparece apenas no Evangelho de João, do Novo Testamento, e em forma de piada: um homem ouve que o Messias é “Jesus de Nazaré” e se pergunta: “Pode sair algo bom de Nazaré?”. 

Jesus não era carpinteiro: o termo grego que designava a profissão de Jesus é tekton. Apesar de sua tradução mais comum ser “carpinteiro”, atualmente, estudiosos explicam que se referia a um artesão ou pedreiro – um trabalho duro que envolvia a construção de alojamentos e o carregamento de ferramentas e materiais pesados. 

Os soldados que o crucificaram brigaram por sua túnica: Jesus vestia uma túnica de linho sem costura, de um só tecido de cima a baixo, uma que somente os homens ricos utilizavam. Seu valor era tanto que, depois de crucificá-lo, os soldados apostaram para ver quem a levava. 

Fonte: Huffington Post

Postar um comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Blog Tv Web Barreiras. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O blog Tv Web Barreiras poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada ou que esteja sem identificação.

 
Topo